SEGUIDORES

quarta-feira, 1 de maio de 2013

.Co-herdeiro ou coerdeiro?

Imagem encontrada AQUI.

Este é um dos casos em que há divergências, entre Portugal e Brasil, na interpretação do que está prescrito no texto do Novo Acordo Ortográfico.

A. O que diz o AO na Base XVI, ponto 1. a) e b)
Nas formações com prefixos (…) e em formações por recomposição, isto é, com elementos não autónomos ou falsos prefixos, de origem grega e latina (…)só se emprega o hífen nos seguintes casos:
(…) Nas formações em que o segundo elemento começa por h: anti-higiénico/anti-higiênico, circum-hospitalar, co-herdeiro (…).
Obs.: Nas formações com o prefixo co-, este aglutina-se em geral com o segundo elemento mesmo quando iniciado por o: coobrigação, coocupante, coordenar, cooperação, cooperar, etc.

Comentário:
Sendo o texto claro, não eram previsíveis divergências. Sobretudo, sendo um dos exemplos apresentados no texto do AO… co-herdeiro! Na observação, diz-se que, em geral, há aglutinação de co- com o elemento seguinte. No entanto, “em geral” não é sinónimo de sempre…

B. Um oceano a separar Portugal do Brasil...
1. Com interpretações estapafúrdias noutros casos (sobretudo com a hifenização das locuções), aqui, Portugal andou bem e aplicou de forma fiel o que diz o AO: co-herdeiro.
2. A Academia Brasileira de Letras, com base no princípio da “simplificação”, decidiu que com co- há sempre aglutinação. Assim sendo, no seu VOLP regista apenas coerdeiro (a par de coabilidade, por exemplo).
Andou mal a ABL nesta decisão unilateral. Sendo verdade que a simplificação era um dos objetivos do AO, o principal argumento usado na sua defesa era a promoção da língua portuguesa através da criação de uma única norma para a sua regulamentação. O que se conseguiu neste caso? Onde antes tínhamos uma única grafia, passámos a ter duas: uma para o Brasil e outra para a restante lusofonia.


Conclusões:
PORTUGAL
BRASIL
co-herdeiro (não houve alteração)
coerdeiro (nova grafia) 
Nota: Até 1/01/2016, os brasileiros podem continuar a escrever co-herdeiro, pois o período de transição foi prorrogado pelo governo brasileiro.

 
Abraço.
AP

 

9 comentários:

  1. Participei da entrevista Fala Multiplicador ficaria muito feliz se desse uma passadinha no meu blog Educar - O primeiro passo e deixasse um comentário.
    Bju

    ResponderExcluir
  2. Bom dia Multiplicador António, desejamos muita paz pra você e a sua família!

    Venho em nome dos EDUCADORES MULTIPLICADORES convidar você a:

    @ Parabenizar os multiplicadores do mês;
    @ Dar as boas vindas aos novos multiplicadores;
    @ Retribuir comentários em sua postagem de publicação (na página índice).

    Multiplicador, precisamos de sua visita para que o Projeto Educadores Multiplicadores tenha vida e continue crescendo. Contamos com a sua presença! Os Multiplicadores agradecem a gentileza e compreensão. Ah, no mês de junho tem novidade no E.M.

    Excelente sábado, obrigado pela parceria, fiquemos na Paz de Deus e até breve.

    IRIVAN

    ResponderExcluir
  3. olá Antonio participo dos multiplicadores e vim te parabenizar pelo top comentaristas. Teu blog é maravilhoso,é sempre bom aprender sobre nossa ortografia. abraços

    ResponderExcluir
  4. Olá Ant P. Obrigado pelas boas vindas ao EM. Abraço. Pedro R.

    ResponderExcluir
  5. O dicionário Houaiss divulgou esta nota: "Quando o segundo elemento começa por H, a ABL sugere a supressão dessa letra na posição intermédia, a exemplo de coabitar, registrando, portanto, coerdar, coerdeiro, coipônimo etc. O Dicionário Houaiss, entretanto, registra ambas as formas (coerdeiro e co-herdeiro)."

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Conheço essa nota, mas ela não altera as conclusões apresentadas no artigo. Pela aplicação que Academia Brasileira faz do texto do AO, só há para o Brasil a grafia "coerdeiro". Se é verdade que o Houaiss apresenta "coerdeiro" e "co-herdeiro", o Aulete e o Michaelis seguiram a perspetiva da ABL.

      Excluir
  6. Essas pequenas coisas que me fazem pensar. Se não conseguimos seguir um simples acordo ortográfico nesse país, como vamos resolver nossos problemas mais sérios...

    ResponderExcluir
  7. Não é tão simples assim. O problema não é que o AO seja ambíguo acerca de co-, ele é incoerente! O exemplo "co-herdeiro" aparece onde indicado, porém mais adiante, trata-se do grupo de prefixos que podem ser abreviados e cumulativos, a saber: co (=com), re, in (ou i) e des. E o AO dá muitos exemplos, como coabitar, desabitado, inabitado, reavido, etc. Ora, se a regra vale para estes prefixos também, deveria ser co-habitar, não é? Sendo pois o AO incoerente, dando duas regras em dois lugares, a ABL resolveu usar o princípio sa simplificação, citado no acordo como diretriz, para resolver o dilema, e uniformizou a escrita de co-herdeiro para ficar como coabitar e outras já estabelecidas. Acho que eles agiram bem, pois não faz sentido algumas perderem o h e outras não. Note que esses prefixos podem aparecer em sequência, o que torna a opção brasileira mais sensata: honrar, desonrar, coonrar, codesonrar. Da mesma forma: corréu, corresponsável, cossignatário, todos exemplos abonados pelo AO.
    Os portugueses optaram por manter exceções: coabitar e coherdeiro, o que na minha opinião, não é muito coerente com o objetivo primário do acordo que era simplificar a grafia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Incoerências à parte, se um dos exemplos apresentados no texto do AO (elaborado por uma equipa em que estavam especialistas brasileiros e portugueses) é "co-herdeiro", a decisão da ABL de escrever "coerdeiro", independentemente da bondade das razões que estiveram na base da opção, é um tiro no pé da unificação das normas. Neste caso, os portugueses não optaram, como diz, "por manter exceções", limitando-se a respeitar o que está no texto aprovado pela generalidade dos países lusófonos.
      Nota: a grafia que os dicionários portugueses registam é "co-herdeiro" e não "coherdeiro".
      Cumprimentos.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...