SEGUIDORES

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Governo rejeita rever o Acordo Ortográfico!

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva  |  GERARDO SANTOS / GLOBAL IMAGENS

Nota minhas: 
1. Embora São Tomé e Príncipe tenha ratificado em A90 em 14/12/2006, não tenho dados que confirmem que ele esteja a ser aplicado, como diz a notícia. Em junho de 2016 estavam a ser processadas as medidas para a sua implementação. Vou tentar saber em que ponto estão as coisas lá para os lados do Equador…
2. Quanto à proposta de "aperfeiçoamento" da Academia de Ciências de Lisboa (cuja análise detalhada apresentei AQUI), sem ponta por onde se lhe pegue, não passa de um rascunho complicado, desconexo, impreciso e sobretudo inútil.

Ministro dos Negócios Estrangeiros recusou-se comentar a proposta da Academia de Ciências sobre o acordo

O ministro dos Negócios Estrangeiros português afastou hoje a possibilidade de revisão do Acordo Ortográfico, referindo que está em vigor em Portugal e que falta ser aplicado pelos países onde a ratificação ainda está em curso.
"O momento em que estamos do processo de implementação do Acordo Ortográfico é este momento: para países como Portugal, Brasil e outros, está em vigor; noutros países que o aprovaram, o processo de ratificação ainda está em curso", disse hoje Augusto Santos Silva, à margem da apresentação da plataforma "Português Mais Perto".
O chefe da diplomacia portuguesa referia-se a Angola e Moçambique, que ainda não ratificaram o acordo ortográfico, em vigor em Portugal, Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.
"A nossa posição é que devemos aguardar serenamente para que o processo de ratificação seja concluído para que o acordo possa entrar em vigor em todos os países que o assinaram e o aprovaram", afirmou o ministro, quando questionado sobre a revisão do acordo ortográfico de 1990 (AO90), proposta pela Academia de Ciências de Lisboa (ACL).
Interrogado se o Governo aceitará as "sugestões de aperfeiçoamento" do acordo, Santos Silva respondeu: "Não tenho mais nada a dizer".
"O Acordo Ortográfico está em vigor em Portugal, é um acordo internacional que obriga o Estado português", referiu o ministro, acrescentando que "evidentemente que nada está isento nem de crítica nem de possibilidade de melhoria".
A Academia de Ciências de Lisboa aprovou um documento com "Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa" de 1990, propondo o regresso de consoantes mudas, do acento gráfico, em alguns vocábulos, do circunflexo, noutros, assim como do hífen.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

Propostas da Academia de Ciências para o AO90: a montanha pariu um musaranho!

A leitura dos considerandos do documento com sugestões para aperfeiçoar o Novo Acordo Ortográfico levaram-me a admitir que daí sairia algo interessante e verdadeiramente útil. Quando cheguei à introdução, as minhas esperanças ganharam força:
Esta declaração não é um tratado de ortografia. Apresenta, antes, sugestões de aperfeiçoamento e esclarecimento de alguns pontos do texto de 1990, para pôr fim ao ‘desacordo’ e ao amálgama de realizações em curso que deixam pairar suspeitas de ‘anarquia’.
Excelente!, disse para mim mesmo.

Logo a seguir: “Trata-se de um contributo que resulta de aturada reflexão em torno da aplicação da nova ortografia e sobre algumas particularidades e subtilezas da língua portuguesa que não podem ser ignoradas em resultado de um excesso de simplificação.
Excesso de simplificação?! Será que vem aí o “complicómetro”, modalidade que praticamos com tanta convicção? E veio mesmo, como vamos ver…

PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO DO AO90
COMENTÁRIOS (MEUS)

1. Sobre a acentuação gráfica

1.1. Reintroduz-se o acento em vários vocábulos que estão em homografia com outros: pára, forma do verbo parar; péla(s), nome e forma do verbo pelar; pélo, nome e forma do verbo pelar; pêlo(s), nome.
1.2. O acento na forma dêmos (presente do conjuntivo) para se distinguir de demos (pretérito perfeito do indicativo) passa de facultativo a obrigatório.


1.3. Reintroduz-se o acento circunflexo nas 3.as pessoas do plural dos verbos terminados em eem e seus derivados: crêem, lêem, vêem, dêem, relêem, desdêem.

1.4. O acento da terminação -ámos do pretérito perfeito do indicativo dos verbos da 1.ª conjugação passa de facultativo a obrigatório para a distinguir da terminação -amos do presente do indicativo.






1.5. A supressão do acento gráfico nos ditongos abertos quando constituem sílaba tónica de palavras paroxítonas retiraria o acento tónico nessas palavras terminadas em –r, pois se estas palavras perdessem o acento passariam a agudas, pelo que a manutenção do acento é necessária. Desta forma, desobedece-se à prescrição, do AO90, de não se acentuar os ditongos ei e oi nas paroxítonas, mas obedece-se à regra de as acentuar quando terminam em –r, como em blêizer, destróier, gêiser, lêiser.




1. Seguindo a mesma lógica, a ACL teria de recuar mais de 70 anos e reintroduzir um bom número de acentos desambiguadores eliminados pelo AO45:
.bôla/bola
Quando lemos “Vamos à bola!”, como interpretamos? “Vamos ao futebol!” ou “Vamos deliciar-nos com uma daquelas bolas de carne típicas da gastronomia nortenha!”?
.êste/este
Em “Para este, não há problemas.”, referimo-nos à localização geográfica ou ao demonstrativo?
E assim sucessivamente, como em êle/ele, fôrma/forma ou côr/cor.

2. Considerando que há uma diferença acentuada na pronúncia desta terminação (aberta no Sul, fechada no Norte), é uma enorme gafe da ACL esta proposta.
Se há alterações introduzidas pelo AO90 que fazem sentido, esta é uma delas.
Atente-se que o AO45 determinou a não acentuação de “dezoito” precisamente por não haver uma pronúncia uniforme (“dezóito” no Sul, “dezôito” no Norte).

3. Uma pérola de clareza esta proposta…
A “alteração” é desnecessária. Basta articular as regras 2 e 5 da Base X:
a) Recebem acento agudo as palavras paroxítonas que apresentam na sílaba tónica vogais abertas e que terminam em -l, -n, -r, -x e -ps;
b) Recebem acento circunflexo as palavras paroxítonas que contêm na sílaba tónica vogais fechadas e que terminam em -l, -n, -r, ou –x.
2. Sobre as sequências consonânticas

2.1. Recuperam-se as consoantes não pronunciadas:
a) Quando “geram homofonias geradoras de ambiguidade” (sic!): acepção (sentido) vs. acessão (consentimento); corrector (quem corrige) vs. corretor (intermediário); espectador (aquele que olha) vs. espetador (o que espeta); óptica (visão) vs. ótica (audição); recepção (recebimento) vs. recessão (retrocesso);
b) Nos casos em que a sua eliminação origina grafias que não existiam na língua: abjeccionismo (*abjecionismo), anticeptismo (*anticetismo), conceptível (*concetível), interruptor (*interrutor);
c) “sempre que a consoante tem valor significativo, etimológico e diacrítico”: conectar, decepcionado, interceptar.



2.2. Recomenda-se o uso preferencial, “para evitar arbitrariedades”, da grafia com a consoante na palavra característica, atualmente na lista das duplas grafias a par de caraterística.
2.3. Mantém-se a supressão das consoantes nos casos em que são invariavelmente mudas em todos os países de língua oficial portuguesa. A grafia passa a ser única em todos os países de língua oficial portuguesa: acionar, atual, batizar, coleção, exato, inspetor, projeto.












4. Aplicando o mesmo critério, teríamos de eliminar a palavra sportinguista dos dicionários…


5. O que é um valor significativo? Que dizer então de grafias (recomendadas pela ACL) em que a supressão da consoante muda poderá vir a afetar a pronúncia, como é  o caso de coleção e inspetor ou projeto?

6. A arbitrariedade é a possibilidade de usarmos em pé de igualdade característica e caraterística? Que fazer então ao par sector/setor anterior do AO90?

7. Aqui, a etimologia não conta…
3. Sobre o emprego do hífen
Por motivos de clareza gráfica, o que permitirá evitar possíveis riscos de ambiguidade, o emprego do hífen é recomendado nos compostos com elementos de ligação quando os seus elementos, com a sua acentuação própria, não conservam, considerados isoladamente, a sua significação, ou seja, o sentido da unidade não se deduz a partir dos elementos que a formam.
(…)
3.1. Só, por conseguinte, as combinações vocabulares que formem verdadeiras unidades semânticas e sejam, ipso facto, verdadeiros compostos é que exigem, em rigor, o emprego do hífen, como água-de-colónia, braço-de-ferro, entra-e-sai, pé-de-meia.
3.2. Os vocábulos mandachuva, paraquedas e paraquedista passaram a escrever-se aglutinadamente por se ter perdido a noção de composição. Os restantes compostos com a forma verbal manda- e pára- continuam a ser separados por hífen conforme a tradição lexicográfica: manda-lua, pára-choques, pára-brisas, pára-raios.


3.3. Emprega-se o hífen nos vocábulos onomatopaicos formados por elementos repetidos, como em au-au, bau-bau, lenga-lenga, tique-taque, truz-truz, zás-trás.

3.4. Para evitar indecisão interpretativa e manter identificação de forma, recomenda-se o emprego do hífen: co-réu (*corréu), co-utente (*coutente).





3.5. Reintroduz-se o hífen “em palavras formadas pelos elementos não- e quase-, por se considerar que os elementos possuem uma função prefixal quando se unem a bases substantivas, adjetivas ou verbais.”

8. Veja-se a “clareza” deste discurso!






9. Só nos faltava mais esta: a juntar às exceções “consagradas pelo uso” do AO90, agora as da ACL.

10. É assim tão grande a diferençaentre paraquedas e para-choques? Até o Portal da Língua Portuguesa admite as duas grafias: para-quedas e para-quedas

11. Então, passamos a escrever zum-zum, xi-xi e zigue-zague?

12. Regra (?) que nada esclarece. E que fazemos a coleitor, cotexto, covalente, coação (ação conjunta) ou cocorrente (corrente de direção igual à de outra cocorrente)?

13. Seguindo a mesmo fio de raciocínio, muitos outros hífens estarão na calha: uns a reintroduzir e outros a fazerem história…
Pode ler o documento completo AQUI.

Curiosamente uma das regras mais obscuras do AO90 não mereceu qualquer censura da ACL: o uso de maúscula/minúscula nos pontos cardeais.
Neste caso, justificava-se mesmo um regresso a 1945.
AO45
AO90
Os nomes dos pontos cardeais e dos pontos colaterais, que geralmente se escrevem com minúscula inicial, recebem, por excepção, a maiúscula, quando designam regiões: o Norte do Brasil; os mares do Sul; os povos do Oriente; as terras do Levante; o Ocidente europeu; o Noroeste africano; a linguagem do Nordeste.
A letra maiúscula inicial é usada nos pontos cardeais ou equivalentes, quando empregados absolutamente: Nordeste, por nordeste do Brasil, Norte, por norte de Portugal, Meio-Dia, pelo sul da França ou de outros países, Ocidente, por ocidente europeu, Oriente, por oriente asiático.
Simples: Designando regiões, os pontos cardeais escreviam-se com maiúscula: "Sou do Sul de Portugal, mas gosto mais de Norte."
Muito complicado: Empregados absolutamente, os pontos cardeais escrevem-se com maiúscula: "Sou do sul de Portugal, mas gosto mais de Norte."
Só os exemplos permitem ter um vislumbre do sentido daquele “absolutamente”…


Com tal abstrusidade, não é de espantar que uso da regra resulte em asneira:

CONCLUSÃO:
A ACL diz que “aperfeiçoar o Acordo Ortográfico não significa rejeitar a nova ortografia, mas antes aprimorar as novas regras ortográficas e retocar determinados pontos”, mas as propostas que agora apresenta:
a) Esquartejam a acentuação;
b) Desfiguram as regras das consoantes mudas;
c) Subvertem as orientações de uso do hífen.
O resultado é uma amálgama que, ao contrário do que se pretendia, é mais ambígua, omissa e lacunar que o A90!
Depois de analisar com detalhe as 15 páginas de sugestões, fiquei com a impressão de que a vontade dos membros Academia de Ciências seria rejeitar o Novo Acordo Ortográfico. Atendendo aos argumentos apresentados, seria mais claro e sustentável do ponto de vista intelectual assumir essa posição do que querer, à viva força, criar um novo AO…
Não conheço as razões dos cinco membros da ACL que votaram contra a aprovação do documento, mas têm a minha solidariedade.

A montanha pariu um rato? Não, apenas um musaranho!
A montanha pariu um rato? Não, apenas um musaranho!

Abraço.
ProfAP

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Academia de Ciências aprova documento para aperfeiçoar Acordo Ortográfico 1990!

Documento aprovado por 18 votos, com cinco votos contra, no plenário de sócios efectivos da academia.
LUSA 26 de Janeiro de 2017, 19:59

Artur Anselmo, presidente da Academia de Ciências de Lisboa 

A Academia de Ciências de Lisboa (ACL) aprovou nesta quinta-feira o documento Sugestões para o aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, disse à Lusa fonte académica.
O documento foi aprovado por 18 votos, com cinco votos contra, no plenário de sócios efetivos da ACL, estatutariamente o órgão máximo da instituição. O documento, "que tem carácter meramente indicativo e facultativo", será divulgado na sexta-feira.
Data: 26-01-2017

Nota: Quando o documento for divulgado, irei partilhá-lo aqui no blogue com um comentário.

Abraço.
ProfAP

sábado, 14 de janeiro de 2017

Defensores da revogação do AO90 rejeitam propostas de revisão!


Os defensores da revogação do Acordo Ortográfico de 1990 (AO90) consideram que as posições “revisionistas” do AO90 “são de rejeitar”, disse à agência Lusa Ivo Miguel Barroso, que tem contestado o Acordo.

“O destino adequado para o AO90 é o caixote do lixo”, disse Ivo Miguel Barroso, que alertou que “para ser revisto, é necessário que haja uma alteração do teor do Anexo I e II (Bases e Nota Explicativa)”, do Acordo.
Ivo Miguel Barroso falava à Lusa a propósito do anúncio feito pela Academia das Ciências de Lisboa (ACL) que vai apresentar ainda este ano um estudo para aperfeiçoar do AO90, sugerindo nomeadamente o regresso à utilização de algumas consoantes mudas.
“Quem conhece o Direito dos Tratados sabe perfeitamente que, se o AO90 é para ser revisto, é necessário que haja uma alteração do teor do Anexo I e II (Bases e Nota Explicativa). Ou seja, tal implicaria um novo Tratado ou uma revisão do mesmo entre todos os Estados da CPLP, no sentido de alterar o Anexo I do AO90”, afirmou.
“Ora, para que isso suceda, é necessário que todos os Governos dos Estados assinem; e que, depois, o novo Tratado seja ratificado internamente. Por outro lado, tal propósito de revisão significaria que pelo menos parte das normas do AO90 não seriam para cumprir”, realçou Ivo Miguel Barroso.
Em declarações à agência Lusa, o presidente da ACL, Artur Anselmo, salientou que a instituição não tem qualquer tendência política e que o AO90 é “um problema científico e não político”, que deveria de ser resolvido definitivamente, e que é utópico impor uma grafia igual em todos os países que falam português.
Ana Salgado, coordenadora do novo dicionário da Academia (que deve estar pronto em 2018), disse também que o acordo não estabelece uma ortografia única e inequívoca, o que permite várias interpretações e, por isso, causa instabilidade. O estudo da Academia pretende acabar com essa instabilidade.
Também em declarações à Lusa, a responsável frisou que a ACL não defende a revogação do AO90, mas sim o seu aperfeiçoamento, sendo que o que propõe são ajustes, como de resto a Academia brasileira já fez também.
A Academia vai, por exemplo, recomendar o emprego do hífen em algumas palavras (fará uma listagem), revelou Ana Salgado, ressalvando que o não emprego do hífen “não quer dizer que seja um erro”.
Quanto às consoantes que não se pronunciam a ACL vai defender que elas só caiam nos casos em que há uma grafia única em Portugal e no Brasil (como na palavra 'ação'). No entanto, em casos como a palavra 'recepção' “a nossa leitura” (da ACL) é que a escrita com o 'p' é “legítima no espaço lusófono”. Na palavra 'optica', a ACL defende também o uso do 'p'.
Ana Salgado lembrou que o AO90 está a ser aplicado no ensino desde 2011 e que muitas crianças poderiam não entender a reposição de consoantes, pelo que o trabalho da Academia é abrir essa possibilidade, uma “via para uniformizar”, e deixar que depois a língua evolua.
A ACL, adianta, não quer impor nada, mas defende a reposição do acento na forma verbal “para” ("pára") e em todas as propostas vai justificar cientificamente as opções.
“Estou preparada para as críticas ao novo estudo”, disse a responsável.
Artur Anselmo também admite todas as críticas e diz que não faz sentido “abrasileirar” a ortografia do português, como não faz sentido moldá-lo à ortografia de qualquer outro país lusófono.

sábado, 7 de janeiro de 2017

Alto e para o baile!

Um amigo enviou-me este post de Francisco Seixas da Costa. Não é recente, mas não deixa de ser uma forma criativa e bem-humorada de crítica ao AO90. Já agora, ficam os votos de que 2017 seja um ano de folia. Logo, todos para o baile!

E AINDA DIZEM MAL DO ACORDO...
No passado escrevia-se "Alto e pára o baile". Isso significava "deixem-se de boa vida e vão trabalhar!"
Com o fim do acento agudo na palavra "pára", a expressão fica "Alto e para o baile!", o que quer dizer, literalmente, "deixem de trabalhar e vão para a boa vida!".
Há ou não vantagens com o Acordo Ortográfico?!
Francisco Seixas da Costa

Abraço.
ProfAntónio

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Academia das Ciências quer aperfeiçoar o Acordo Ortográfico!


ENTREVISTA ao jornal Público (12-12-2016)

“Nós consideramos que o normal é o respeito pelas ortografias nacionais”
O presidente da Academia das Ciências de Lisboa, Artur Anselmo, anuncia para Janeiro um documento chamado Subsídios para o Aperfeiçoamento do Acordo Ortográfico. É o retomar da polémica pelo lado científico, num campo em que "a política é incompetente".

Presidente da Academia das Ciências de Lisboa até finais de 2018, filólogo, professor, autor do recente História do Livro e Filologia (Ed. Guimarães, 2015), Artur Anselmo é, aos 76 anos, impulsionador de um movimento de rejuvenescimento da Academia, onde acabam de ser admitidos, na 1.ª secção da Classe de Letras, Manuel Alegre, Helder Macedo (efectivos), António Lobo Antunes e José Manuel Mendes (correspondentes). No dia 15 de Dezembro, às 15h, o ano académico encerrará com uma conferência do general Ramalho Eanes, intitulada Portugal no Tempo e no Mundo. Para 2017, anuncia-se uma proposta de revisão do acordo ortográfico de 1990 [AO90] sob o prisma da ciência, em detrimento da política. Artur Anselmo explica as razões de tal iniciativa.

Um ano depois do colóquio Ortografia e Bom Senso, anuncia-se um dicionário para 2018 e um “aperfeiçoamento” do acordo ortográfico. Isso significa o quê?
Muitos confrades de ciências estão a participar nos trabalhos do Dicionário. Na área da Química, da Biologia, da Botânica, das ciências da Terra, das ciências do Espaço. Isso não aconteceu em 2001, porque o dicionário foi feito, em boa parte, sob a direcção do confrade João Malaca Casteleiro, por licenciados, professores de Português, jovens, pessoas que não eram especialistas. Daí lacunas terríveis que ocorreram. No outro dia descobri que faltava a palavra “robalo”! Ou “semiótica”! Ou “semiologia”!

E quanto ao chamado "acordo ortográfico"?

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

2 000 000 de visitas!


O número de visitas, vindas de 178 países, atingiu hoje um número redondo: 2 000 000!
Um agradecimento a todos, especialmente para os países que estão no top 5:
1. Brasil (63%)
2. Portugal (31%)
3. Estados Unidos (2,5%)
4. Angola (0,6%)
5. Reino e Espanha (0,4%)

Abraço de Azeitão para o mundo!
ProfAP
Imagem encontrada AQUI.